OLHANDO PARA DENTRO

OLHANDO PARA DENTRO

            Talvez você já tenha se feito esta pergunta em algumas ocasiões de sua vida… “porque comigo dá tudo errado?”…

            Em uma breve pausa nos artigos, nas viagens e nas trip’s que a vida proporciona nos momentos de lazer, somos obrigados a encarar a vida real na selva de pedras, de frente, sem medo, olhando nos olhos e tomando atitudes rápidas.

 Embora eu seja um conservador em relação aos passos que escolho para cada metro percorrido da minha jornada, ainda cometo alguns deslizes, naturais quando se tem por objetivo único a busca eterna do amor e da felicidade. Para pessoas como eu, que possuem um coração um tanto quanto altruísta, que tenta enxergar e até mesmo colocar beleza naquilo que não tem, o resultado de uma ação negativa pode não ser dos melhores, talvez até mesmo deixe algumas marcas, feridas que certamente levarão algum tempo para que possam secar e prosseguir a regeneração necessária que estamos acostumados, e isto não está ligado diretamente ao lado sentimental, feridas podem surgir das bandas profissionais, familiares, íntimas, na forma de uma frustração pessoal, como podem também surgir das bandas do coração, e desta banda, trago algumas experiências, um pouco de tudo, e talvez nenhuma delas até hoje me fizeram ser “100%” dedicado, completo e feliz.

            Pergunto-me sim o porque, até porque sou o maior crítico deste ato chamado minha vida, sei muito bem externalizar o que é culpa minha ou não, apontar os meus erros, mas também sou implacável em apontar o erro outrem, e se por algum motivo, os tais erros cometidos tiverem consigo valores como falta de respeito, descaso e infantilidade, podem ter certeza, que perderam um grande indivíduo do seu círculo de convívio.

A vida está ligada diretamente a felicidade, aos ciclos de realizações, de conquistas, aprendizados, amadurecimento, e para que estes sejam imperantes no curso da jornada, o olhar atento se faz necessário, a vigília para que a essência do individuo seja mantida, com coerência e razão, a entrega de forma gradativa, ou como diz aquela velha frase importante “faça por mim, que faço por você”, e que isto seja seguido nos rigores de um manual intrínseco do dia-dia, você terá grandes chances de não quebrar sua cara, com nada nem ninguém.

Seja feliz sim, seja esperto, pois o mundo não perdoa. Deslizes são necessários, são?

Caso contrário a certeza da vitória estragaria o plano da humildade.

Mas não se esqueça de acreditar em seus valores acima de tudo, nas coisas em que você acredita, se for o caso, faça uma auto análise, não tenha vergonha de reconhecer o erro e de voltar a um ponto que já passaste, e se tiver convicção da sua certeza, avaliado a humildade, coração e razão, toque “ficha” e terás a recompensa logo adiante.

Não se esqueça, há males que vem para bem!

Comentários

comentários

2017-09-10T00:33:05+00:00